26 de nov de 2013

GO NOW - WINGS AO VIVO EM 76!

Sensacional momento ao vivo, extraído do Rockshow, com Denny Laine cantando o sucesso do seu antigo grupo o Moody Blues, Go Now, agora como um componente dos Wings

Ele canta com Paul e Linda nos backing vocals, Joe English na bateria e Jimmy McCulloch (que viria a morrer pouco tempo depois por overdose de drogas, aos vinte e sete anos) na guitarra.

Era a turnê Wings Over America, de 1976. Curta!

16 de nov de 2013

WORDS OF LOVE - CLIPE NOVO!

Depois de 17 anos do último clipe oficial (Free as a Bird - 1996) ganhamos agora o clipe de Words Of Love, cover da bela canção de Buddy Holly.

No clipe há várias passagens relatadas no livro do Anthology, como aquela em que o vidro da van quebra durante uma tempestade de neve e os Beatles se empilham um em cima do outro para não congelarem durante a viagem (Mal Evans, o eterno roadie, continuou firme ao volante!)

E vemos também os pontos e detalhes coloridos, que nada mais são do que o prenúncio de um movimento que iria tirar o mundo do marasmo cultural pós-guerra para o rompimento de várias barreiras, capitaneado pelo amor, paz, rock e psicodelia! Curta!

24 de out de 2013

QUEENIE EYE CLIPE OFICIAL! YEAH!

Veja e ouça o sensacional clipe da canção Queenie Eye, do álbum novo de Sir Paul McCartney, o New! Paul!

23 de out de 2013

MAKING OF DA CANÇÃO QUEENIE EYE - DO NOVO ÁLBUM DE PAUL, O NEW!

Making of de Queenie Eye, filmado no estúdio 2, Abbey Road Studios, em outubro de 2013! Paul!


Link enviado pelo beatlefriend Lucindo Vacilloto, de Ribeirão Preto-SP. Yeah!

21 de out de 2013

DANADÕES

Belo cover dos Danadões da música Hello Little Girl (Lennon / McCartney). Curta!


Link enviado pelo beatlefriend Adriano Mussolin (www.beatledrops.blogspot.com.br)

18 de out de 2013

beAtLes

4 ever ==> Sensacional poema visu-AL feito especialmente para o Big Charles aqui pelo meu amigo e irmão, Al-Chaer. Al-Chaer é um excelente escritor e poeta, além de estar fazendo coisas maravilhosas no campo da arte visual. Clique na figura abaixo para ir ao blog de poesias visuais dele. FABraços, Al!

15 de out de 2013

JOHNNY B GOODE

Sensacional vídeo de 1986 com Chuck Berry, Julian Lennon (primeiro filho de John Lennon) e Keith Richards na guitarra. No final, Chuck chama Julian de: John... Julian Lennon! Curta!

 
link enviado pela querida Talma Lennon, de Olinda - PE

19 de set de 2013

BEATLES ON AIR - VOL. 2 - CONFIRMADO!

Divulgadas as faixas do The Beatles On Air - Live at the BBC Volume 2, que sairá em novembro!

CD 1 01. And Here We Are Again (Speech) 02. Words Of Love 03. How About It, Gorgeous? (Speech) 04. Do You Want To Know A Secret 05. Lucille 06. Hey, Paul… (Speech) 07. Anna (Go To Him) 08. Hello! (Speech) 09. Please Please Me 10. Misery 11. I’m Talking About You 12. A Real Treat (Speech) 13. Boys 14. Absolutely Fab (Speech) 15. Chains 16. Ask Me Why 17. Till There Was You 18. Lend Me Your Comb 19. Lower 5E (Speech) 20. The Hippy Hippy Shake 21. Roll Over Beethoven 22. There's A Place 23. Bumper Bundle (Speech) 24. P.S. I Love You 25. Please Mister Postman 26. Beautiful Dreamer 27. Devil In Her Heart 28. The 49 Weeks (Speech) 29. Sure To Fall (In Love With You) 30. Never Mind, Eh? (Speech) 31. Twist And Shout 32. Bye, Bye (Speech) 33. John - Pop Profile (Speech) 34. George - Pop Profile (Speech)

CD 2 01. I Saw Her Standing There 02. Glad All Over 03. Lift Lid Again (Speech) 04. I’ll Get You 05. She Loves You 06. Memphis, Tennessee 07. Happy Birthday Dear Saturday Club 08. Now Hush, Hush (Speech) 09. From Me To You 10. Money (That's What I Want) 11. I Want To Hold Your Hand 12. Brian Bathtubes (Speech) 13. This Boy 14. If I Wasn’t In America (Speech) 15. I Got A Woman 16. Long Tall Sally 17. If I Fell 18. A Hard Job Writing Them (Speech) 19. And I Love Her 20. Oh, Can’t We? Yes We Can (Speech) 21. You Can't Do That 22. Honey Don't 23. I’ll Follow The Sun 24. Green With Black Shutters (Speech) 25. Kansas City/Hey-Hey-Hey-Hey! 26. That’s What We’re Here For (Speech) 27. I Feel Fine (Versão de estúdio) 28. Paul - Pop Profile (Speech) 29. Ringo - Pop Profile (Speech)

31 de ago de 2013

GRAVAÇÕES INÉDITAS DOS BEATLES VINDO POR AÍ?


Roger Stormo, do Wog Blog, um blog especializado nos Fab Four, começou uma verdadeira investigação que revelou que um novo disco, ou conjunto de discos, contendo gravações dos Beatles na BBC estaria prestes a ser lançado. Stormo foi além em sua cruzada por informações e chegou a divulgar o que poderia ser a capa, o mês de lançamento (novembro) e o nome do álbum: On Air - Live At The BBC Volume 2.



O material do(s) disco(s), no entanto, não partiria de gravações originais da própria BBC (antes dos anos 1970 a emissora reutilizava suas fitas, gravando novas apresentações sobre outras já transmitidas, apagando gravações que hoje seriam ouro puro), mas de vinis que teriam sido gravados para que fossem retransmitidos por filiais da emissora britânica ou gravações feitas por ouvintes e resgatadas em uma campanha chamada 2012 Listeners' Archive Campaign. A foto de capa seria uma versão editada (colorizada e sem os transeuntes) de uma foto de Dezo Hoffmann com Paul, John, George e Ringo na Guidford Street, em Londres, caminhando em direção à Russell Square.


O primeiro volume de "Live at the BBC" consistia de 56 músicas e 13 faixas de diálogo, todos, como diz o nome, gravados na emissora britânica. O CD duplo, lançado em 1994, chegou a nº 1 nas paradas do Reino Unido e à terceira colocação nos Estados Unidos e, possivelmente, preparou o terreno para as três coleções Beatles Anthology, lançadas em 1995 e 1996. Nem a MCA Music (subsidiária da Universal Music nas Filipinas, onde parte das informações teria vazado), nem a Universal, nem a própria banda confirmam qualquer uma dessas informações. O post da MCA Music em que a suposta capa do álbum aparecia foi apagado.

Confirmado apenas, por enquanto, está o lançamento do livro "The Beatles – The BBC Archives: 1962-1970", um compêndio de fotos e conversas transcritas detalhando as aparições dos Fab Four na rádio da Inglaterra. Em um post mais recente, o próprio Stormo reclama da forma como as informações divulgadas por ele tem sido noticiadas pela mídia. A Rolling Stone americana, por exemplo, o contrário do The Guardian e do Whiplash, teria mudado o tom investigativo usado por ele e dado o lançamento como certeza pura. Ficaremos atentos. Você também pode fazê-lo acompanhando o WogBlog (em inglês).


Por Leonardo Daniel Tavares da Silva

27 de ago de 2013

VIDEOCLIPE OFICIAL DA CANÇÃO "CREIO QUE NÃO"

Sensacional clipe dos amigos da banda Golpe Sujo, de Niterói! Claro que dá pra notar a influência dos Beatles! Yeah!


Vai lá e adiciona eles no facebook: https://www.facebook.com/golpe.sujo !!

23 de ago de 2013

MONALISA TWINS TOCA TUDO E CANTA WHILE MY GUITAR GENTLY WEEPS


Hoje o Beatlebox traz um cover também muito bacana da Monalisa Twis cantando e tocando While My Guitar Gently Weeps, de George Harrison. Essa belíssima canção foi lançada no White Album em 1968. Cool! 

11 de ago de 2013

FELIZ DIA DOS PAIS!


Reflexão no Dia dos Pais: 

Num mundo onde impera a ganância negativa e o consumismo desenfreados, somos vítimas de várias mensagens que nos impele a descartar todo o tipo de sentimento puro em relação à família, aos pais, aos amigos e ao próximo, visando apenas a atitude de obter coisas e satisfazer causas individuais. Necessário é realizar nós próprios, facultativo é realizar os objetos. 

É preciso estudar, situar-se no mundo, autoconhecer-se, buscar as verdades encobertas e deturpadas pelos interesses escusos de quem usa a inteligência em seu próprio proveito, ou seja, inteligências isentas de espírito, que só buscam usar, explorar as pessoas e enegrecer seus sonhos. 

Quando é que vemos alguma ação enaltecedora, respeitosa e assistencial do ser humano, quer seja um pai, um irmão, um trabalhador, um doente, um menos favorecido que não seja com o intuito velado de aproveitar-se e obter alguma vantagem? Vemos muito pouco, mas nós podemos aumentar isso, pois nossas almas não têm um crachá funcional, mas luz universal. 

Nesse Dia dos Pais vamos procurar não nos concentrar apenas em dar ou receber alguma COISA. Busquemos sim nos olhos do nosso pai - ou na sua lembrança -, dos filhos, da família e dos amigos aquela centelha divina que nos une. Sim, ela existe. E nunca apaga. É aquela luz universal. 

Que nesse Dia dos Pais essa centelha nas nossas vidas se agigante e incinere a negatividade de quem (ou do que) nos chega para dificultar nossa verdadeira felicidade. Nossas vidas não devem ser pautadas pelo sucesso ou pelo fracasso, e sim pela felicidade ou infelicidade. 

Feliz Dia dos Pais!

E para não faltar música, um grande compositor e letrista - irrepreensível pai e avô - faz questão de cantar:

Me dê sua mão.Eu gostaria de apertá-la
Quero te mostrar que sou seu amigo
Você entenderá, se eu conseguir esclarecer
É tudo o que importa no fim

Não preocupe se isso pesar uma tonelada
Foi o que o pai disse ao seu filho mais novo
Eu não me importo se pesar uma tonelada
Enquanto eu e você estivermos aqui, toque aqui
Enquanto eu e você estivermos aqui, toque aqui

Se houver uma briga, gostaria de consertar
Eu odeio ver as coisas darem errado
A noite é escura e todas as emoções misturadas
Está ficando mais claro cantar uma canção
Toque aqui.

 

7 de ago de 2013

WATER

Capa do filme (clique para ampliar)

O grande amigo Luiz Lennon, presidente do Cavern Club em São Paulo (e no facebook), postou hoje e resolvi divulgar aqui também no Beatlebox: 

George Harrison tinha outras facetas que ultrapassavam a fronteira da música. Ele revitalizou praticamente sozinho a indústria cinematográfica britânica durante o “tédio” dos anos 80. 

Com sua empresa HandMade Films, ele produziu momentos subversivos e de humor negro como em Monty Python’s Life of Brian (1979), Time Bandits (1981), Mona Lisa (1986), Withnail and I (1987) e How to Get Ahead in Advertising (1989). 

A HandMade quase levou Harrison à falência, mas sua disposição em apoiar financeiramente filmes “pequenos” e não-convencionais produziu algumas das melhores joias do cinema britânico. Um dos filmes produzido pela HandMade Films, foi ‘Water’, filmada em 1985. A história recheada de humor típico inglês, se passa em uma fictícia ilha chamada Cascara ainda pertencente à colônia britânica. Logo a pequena ilha pacífica, que estava sendo ignorada pelo governo britânico e pela mídia internacional, tem sua paz perturbada quando uma plataforma de petróleo abandonada inicia exploração e fornecimento de água – no padrão das melhores marcas como Perrier. Gente de todas as partes, incluindo a Frente de Libertação de Cascara, a Casa Branca e até os cubanos passam a ter interesse no futuro da ilha e ameaçam destruir a vida pacífica dos seus habitantes. 

O filme tem como protagonista principal o ator Michael Caine interpretando Baxter Thwaites, o governador da colônia. Ele foi um fracasso comercial e de crítica, mas é interessante para os fãs da música, afinal aparecem tocando juntos na película nada mais, nada menos que George Harrison, Ringo Starr, Eric Clapton e Ray Cooper, formando a banda de apoio para dupla de revolucionários que lutam pela libertação de Cascara. 

A música se chama ‘Freedom’ e este trecho do filme pode ser assistido no vídeo abaixo: O enredo de ‘Water’ parece ter sido inspirado pela comédia britânica interpretada por Peter Sellers chamada Man in a Cocked Hat de 1959. Curtam!

22 de jul de 2013

ATRAVÉS DO UNIVERSO

Hoje o Beatlebox traz um cover muito legal da Fiona Apple cantando Across The Universe, de John Lennon (mas creditada à dupla Lennon / McCartney), que foi lançada no álbum Let it Be, de 1970.

11 de jul de 2013

BECAUSE


Andrew Lubman nos dá uma aula sobre a construção da bela canção de John Lennon, Because, do álbum Abbey Road, creditada à dupla Lennon / McCartney. 

John teve inspiração em escrevê-la quando ouviu Yoko ao piano tocando Sonata ao Luar de Beethoven. Ele pediu que ela a tocasse de trás para frente e assim tirou a ideia para compô-la. 

Na música, John Lennon, Paul McCartney e George Harrison cantam em coro harmônico, tal como fizeram em Yes It Is e This Boy. Para o resultado final, as vozes foram três vezes sobrepostas (overdub), criando um efeito de nove vozes. John Lennon canta e toca guitarra. George Harrison canta e toca sintetizador moog, Paul McCartney canta e toca baixo. Ringo Starr estava presente durante as gravações, mas a sua participação, que se limitou a fazer a marcação do andamento, não foi registrada, mas sua presença foi essencial, grande Ringão!

George Martin participou tocando um modelo de espineta (Baldwin spinet electric harpsichord). Curta!

5 de jul de 2013

PAUL McCARTNEY E YOUTH!

Paul McCartney retornou ao terreno da música eletrônica, com o single “Out of Sight”, do duo The Bloody Beetroots e a colaboração do produtor Youth!

Sensacional: veja/ouça/curta!


25 de jun de 2013

RINGO! GRAMMY!

Ringo Starr, baterista dos Beatles, revela flagrantes da sua atividade artística em uma nova exposição, chamada "Ringo: Peace & Love" ("Ringo: paz e amor"), que abriu na terça-feira (11 de junho de 2013) no Museu do Grammy, em Los Angeles, nos Estados Unidos.

O músico, de 72 anos, estava presente na abertura da mostra, que lançou um olhar aprofundado para a sua carreira. Entre as peças apresentadas estão a bateria Ludwig que Ringo usou nas apresentações dos Beatles no programa "The Ed Sullivan Show", e o traje que vestiu na época do disco "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band" (1967).

Ringo guiou a Reuters numa visita à oposição, que fica em cartaz até março. Um marco na carreira dele, também retratado na exposição, é o show de agosto de 1965 no estádio Shea, em Nova York, com a presença de 55,6 mil espectadores. "Depois do Shea, e o Shea foi a maior audiência, foi a primeira vez que alguém tocou num estádio, e ficamos, tipo, ‘uau'", disse ele. "As pessoas ficavam falando sobre gente gritando, mas era assim mesmo. Nós nos levantávamos, as pessoas gritavam, terminávamos e elas iam para casa."

Quase 50 anos depois da chegada dos Beatles aos Estados Unidos, Ringo disse que continua atarefado, trabalhando atualmente na adaptação da canção "Octopus's Garden", dos Beatles, como livro infantil. Ele também lança nesta quarta-feira (12) um e-book chamado "Photograph", exclusivamente na loja iBookstore, da Apple. A obra revela um inédito acervo particular de fotos do quarteto.


Fonte do texto: G1

11 de mai de 2013

ENTREVISTA DE PAUL McCARTNEY AO CÉSAR CANEDO - GOIÂNIA-GO

- Paul, por que você não se aposenta? 
- Bom... faz o seguinte, venha comigo para o Brasil, veja a multidão que nos espera, e você vai entender porque eu não me aposento...

Ouça essa declaração do Paul aos 7:40'

 

Enviado pela beatlegirl Joelma Vieira.

8 de mai de 2013

NOSSAS FOTOS: SHOW DE GOIÂNIA

Com os amigos Marcelo Fróes (RJ) e Adriano Ferrari (BA)

Paul cantando Blackbird

O bichinho esperança que Paul deu o nome de Harold

Paul cantando Eight Days a Week

Paul cantando Eleanor Rigby

O ursinho jogado por uma fã ouvindo Your Mother Should Nos


Meu garoto filmou Something, com direito a me pegar no final totalmente encharcado de lágrimas!
- Fazer o quê? (eu pergunto para a câmera...)

7 de mai de 2013

O SHOW DE PAUL EM GOIÂNIA PELA REVISTA ROLLING STONE

Foto: Pablo Miyazawa
A apresentação que Paul McCartney realizou na noite desta segunda, 6, em Goiânia (GO), tinha tudo para ser previsível. Se levado em conta o repertório, foi mesmo: o set list de 38 músicas foi uma cópia exata da sequência destilada em Belo Horizonte há dois dias, no show que marcou o início da turnê mundial Out There

Diferente do evento no Mineirão, porém, McCartney nao se fez valer de afagos regionalistas para agradar especificamente ao dedicado público de 40 mill pessoas que tomou o estádio Serra Dourada. E acabou nem precisando, visto que alguns artifícios imprevistos acabaram imprimindo à noite um colorido especial. 

“Oi Goiânia! Oi goianos! Esta noite vou tentar falar um pouco de português. Espero não falar bobagem”, disse o beatle mais carismático de todos, alterando levemente o discurso típico de início de show. Vestido com um blazer rosado (o qual despiu com menos de dez minutos no palco), Paul parecia muito mais disposto do que os 70 anos de idade e mais de 50 de carreira poderiam permitir. Na condição de principal artista vivo da música mundial, ele continua a entregar um espetáculo que é a representação máxima do que tal título significa: quase três horas de hits incontestáveis, movidos a eficiência técnica, profissionalismo e bom mocismo irresistível – e, no show em Goiânia, com inesperados lampejos de rebeldia. Esta, no caso, não foi exatamente proporcionada pelo astro e sua sempre eficiente banda, mas uma cortesia dos incontáveis insetos voadores que habitaram o palco ao longo de toda apresentação. 

Antes do show, as criaturas apenas se faziam notar próximas aos telões verticais, durante o tradicional vídeo-retrospectiva. Assim que Paul e seu quarteto deram início ao repertório, às 21h33, com “Eight Days a Week”, os insetos – gafanhotos, esperanças, mariposas, entre outros tantos – passaram a realizar um exótico e espontâneo balé em sintonia com a música e os holofotes que derramavam luzes coloridas nos artistas. Foi na sétima música da noite, na primeira investida do beatle ao piano de cauda, que a inusitada participação especial enfim se fez valer. Durante “My Valentine”, escrita para Nancy Shevell, atual esposa de McCartney, balões vermelhos surgiram na plateia (em “Blackbird”, foram balões pretos). 

Enquanto Paul cantava, insetos dançavam ao redor e pousavam sem cerimônia nos ombros e costas dele. Se em princípio pareceu levemente incomodado, o astro logo entrou na brincadeira, chamando a atenção da plateia e apontando para os seres pendurados nos vincos da roupa. Logo ficou claro que as criaturas assediavam apenas o personagem principal, o único vestido com uma camisa branca e com as luzes mais fortes sempre apontadas para si. “Estamos nos divertindo com os gafanhotos, hein?”, ele generalizou antes de apresentar ao público o ser esverdeado mais insistente, que permaneceu estático no ombro direito dele ao longo de várias músicas. “Este é o Harold. Diga oi para as pessoas”, brincou o músico, que jamais fez menção de evitar tal “ataque”. Ao final de “Maybe I'm Amazed” (dedicada à eterna musa Linda McCartney), mais interação vinda da engajada audiência goiana: cartazes com os dizeres “I Love Meat Free Monday”, referência à campanha lançada por McCartney em 2009 para encorajar a redução do consumo de carne. Harold, por sua vez, continuava firme no local privilegiado de onde assistia ao show. “Agradeça, Harold!”, Paul solicitou furtivamente ao novo amigo. 

Fora este literal fenômeno da natureza, nada mais saiu do script ao longo das bem aproveitadas 2h40 de espetáculo. As faixas que fizeram estreia ao vivo em Belo Horizonte foram repetidas em Goiânia, fato que McCartney fez questão de relembrar. “Esta é a segunda vez em que tocamos essa música no mundo”, ele proferiu em português bem pronunciado antes de “Being for the Benefit of Mr. Kite!” e “Lovely Rita”, ambas de Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (1967). “All Together Now” foi dedicada “às crianças”, enquanto em “Your Mother Should Know”, Paul dedilhou um pequeno piano colorido acompanhado de um ursinho de pelúcia que recebeu da plateia. A faixa, também inédita ao vivo até esta turnê, ganhou clipe no telão com homenagens a diversas mães famosas, de Jackie Kennedy a Michelle Obama. Na também estreia ao vivo “Hi Hi Hi”, Paul entrou adiantado e se desculpou. “Eu errei. Mas isso só prova que estamos tocando ao vivo mesmo.” Já para quem conferiu algum dos shows da turnê anterior de McCartney nos últimos três anos, certas partes pareceram idênticas, inclusive nas palavras escolhidas pelo cantor: “Something” foi dedicada “ao meu amigo George”, enquanto em “Here Today” foi a vez de evocar “o meu amigo John”. A arrasadora sequência ao piano antes do primeiro bis – “Let it Be”, “Live and Let Die” e “Hey Jude” – evocou o mar de lanternas de celulares na multidão (porque isqueiros são coisa do passado), chamas, fogos de artifício e plaquinhas de “na na na”. 

De novidade mesmo somente a presença dos insetos, que insistiram em voltar a rodear apenas o protagonista (que muito habilmente conseguiu cantar sem engolir nenhum deles). Durante a pirotecnia explosiva de “Live and Let Die”, foi inevitável pensar que muitos dos seres voadores dificilmente resistiram à temperatura no palco (ao final da canção, Harold e outros primos comprovaram a teimosia típica dos insetos, estacionados diligentemente nos ombros do amigo Paul). 

Ainda houve tempo para dois bis exclusivamente de faixas dos Beatles, em que McCartney expôs, sem qualquer sutilieza, do que é feita a genialidade do maior compositor da história do rock: “Day Tripper”, “Lovely Rita” (que tomou a posição que foi de “Lady Madonna” na turnê anterior), “Get Back”, “Yesterday” e “Helter Skelter”. 

Os cinco minutos finais do medley do lado B de Abbey Road serviram como o desfecho típico e ideal do show de rock perfeito: “Golden Slumbers”, “Carry the Weight” e “The End”. “Nos vemos em breve”, Paul prometeu, antes da explosão de aplausos, fogos de artifício e papel picado. 

A turnê Out There encerra a passagem pelo Brasil em Fortaleza (CE), nesta quinta, 9. 

Pablo Miyazawa 
Revista Rolling Stone

5 de mai de 2013

PEQUENA ENTREVISTA MINHA (E FOTO) PARA O JORNAL O POPULAR - GOIÂNIA

Neste domingo, 5 de maio de 2013, véspera do show de Paul McCartney aqui em Goiânia, Goiás, dei uma pequena entrevista para o jornal O Popular, que também publicou uma foto. Ó: 

Fãs de todas as idades de Paul McCartney contam histórias de amor e devoção pelo eterno beatle. Uma promessa para si mesmo: visitar Liverpool, cidade onde John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e o então baterista Pete Best – substituído posteriormente por Ringo Starr – começaram a carreira artística. 

Esse sempre foi um desejo adiado por diversos motivos pelo professor e beatlemaníaco Carlos Edu Bernardes, 53 anos. “Demorei tanto a cumprir a promessa, que Paul vem primeiro na minha cidade do que eu na dele”, brinca o fã, que engrossa a legião que deve lotar o Estádio Serra Dourada amanhã para assistir ao show do artista. Muitos dos fãs da banda mais escutada, tocada e imitada da história estarão amanhã realizando o sonho de toda uma vida: ver um dos integrantes dos Beatles tocando ao vivo. 

Para Carlos Edu, a paixão pela música dos rapazes de Liverpool começou na infância. Os primos mais velhos tinham uma banda cover e ele, aos 5 anos de idade, pensava que os Beatles eram, na verdade, seus parentes. De certa forma, eles passaram a ser tão íntimos como uma família. “É a trilha sonora da minha vida. Lembro que, na época da escola, guardava dinheiro da merenda para comprar os LPs dos Beatles

Fui crescendo e a admiração só aumentou”, explica o professor que tem dois blogs sobre os Beatles. A lembrança mais marcante foi a morte de John Lennon, em 1980. “Minha mãe chegou me falando que tinham atirado em Paul McCartney. Como não havia internet, tivemos de esperar até o jornal na TV para saber que quem tinha sido morto foi o Lennon”, conta. 

O show em Goiânia será o quarto de Paul a que o professor assistirá. Em novembro de 2011 viu outro beatle vivo: Ringo Starr na sua turnê em Brasília. Mesmo assim, ele diz que a expectativa é enorme e que a apresentação tem um gosto todo diferente. “Vai ser um show para curtir com a família inteira. Amigos de vários cantos do País estão vindo. Tenho certeza que será um momento histórico.


18 de abr de 2013

ESTILO!

Off The Ground: The Complete Works é um conjunto de dois discos de Paul McCartney lançados no Japão e na Holanda em 1993. Esta edição incluiu o uso raro de palavrões na música Big Boys Bickering, uma canção de protesto. Outras canções notáveis nesta edição são Long Leather Coat e Style Style, que você confere abaixo. Paul!

 

11 de abr de 2013

OBRIGADO, PAUL!

Tudo que envolve os Beatles já se tornou universal. Paul McCartney, com seus shows, mantém viva uma chama que alastrou pelo mundo todo, quebrando regras absurdas, abrindo espaços para a ousadia e a criatividade, além de preparar o terreno para todo tipo de esperança. 

Com eles e depois deles, muitas barreiras foram quebradas, posicionamentos (até políticos!) foram questionados e o mundo se transformou! 

Ser contrário a um show de Paul McCartney (implicitamente ao som dos Beatles) é ser contrário à universalidade de mensagens transformadoras, é ser contrário até mesmo à exposições da arte de Picasso e Rodin, à concertos de intérpretes de Mozart ou Beethoven, ou à oficinas e palestras sobre textos de Maiakóvski ou Edgar Allan Poe, pois estes (e tantos outros universais!) são cidadãos do mundo e não podem ser confundidos com modismos passageiros, pontuais, rasos, temporais e sem profundidade. 

Obrigado por vir até Goiânia, Sir Paul McCartney!


1 de abr de 2013

LET IT BE... NAKED REMASTERIZADO!

A gravadora EMI anunciou que o disco Let it Be... Naked, dos Beatles, ganhou versão remasterizada já a venda no iTunes

A nova edição do álbum de 2003 é acompanhada dos livretos originais e pode ser adquirida por US$ 12,99. 

Let it Be... Naked é a reedição comandada por Paul McCartney de Let it Be, de 1970. 

Efeitos incluídos no original pelo produtor Phil Spector foram retirados, deixando um som mais cru e fiel àquilo que o quarteto fez no estúdio. 

A lista de faixas de Naked não é, contudo, idêntica à do original Let it Be. “Dig It” e “Maggie Mae” foram excluídos, enquanto o single “Don’t Let Me Down” está no pacote. A versão remasterizada por ser adquirida aqui.